החוק הפורטוגלי לאזרחות פורטוגלית Decreto-Lei n.º 30-A/2015

 

1246-(92)                                                                                                                                               Decreto-Lei n.º 30-A/2015      Diário da República, 1.ª série – N.º 41 – 27 de fevereiro de 2015

 

החוק הפורטוגלי לאזרחות פורטוגלית Decreto-Lei n.º 30-A2015
החוק הפורטוגלי לאזרחות פורטוגלית Decreto-Lei n.º 30-A2015

 

MINSTÉRIO DA JUSTIÇA

 

Decreto-Lei n.º 30-A/2015

 

de 27 de fevereiro

Designam -se de judeus sefarditas, os judeus descendentes
das antigas e tradicionais comunidades judaicas
da Península Ibérica.

A presença dessas comunidades na Península Ibérica é
muito antiga, sendo mesmo anterior à formação dos reinos
ibéricos cristãos, como sucedeu com Portugal a partir do
século XII.

Tendo essas comunidades judaicas, a partir de finais do
século XV e após o Édito de Alhambra de 1492, sido objeto
de perseguição por parte da Inquisição espanhola, muitos
dos seus membros refugiaram -se então em Portugal.

Porém, o rei D. Manuel, que inicialmente havia promulgado
uma lei que lhes garantia proteção, determinou,
a partir de 1496, a expulsão de todos os judeus sefarditas
(também conhecidos por marranos) que não se sujeitassem
ao batismo católico. Assim, numerosos judeus sefarditas
foram expulsos de Portugal nos finais do século XV e
inícios do século XVI.

De modo geral, estes judeus peninsulares estabeleceram-
-se, entre outros, em países como a Holanda, o Reino Unido
e a Turquia, bem como em regiões do Norte de África e,
mais tarde, em territórios americanos, nomeadamente no
Brasil, Argentina, México e Estados Unidos da América
(EUA).

Apesar das perseguições e do afastamento do seu território
ancestral, muitos judeus sefarditas de origem portuguesa
e seus descendentes mantiveram não só a língua
portuguesa, mas também os ritos tradicionais do antigo
culto judaico em Portugal, conservando, ao longo de gerações,
os seus apelidos de família, objetos e documentos
comprovativos da sua origem portuguesa, a par de uma
forte relação memorial que os leva a denominarem -se a si
mesmos como «judeus portugueses» ou «judeus da Nação
portuguesa».

Com a «conversão em pé», denominação pela qual ficou
conhecida a conversão forçada dos judeus, decretada por
D. Manuel, deixaram, então, de existir oficialmente judeus
em Portugal, e apenas cristãos -velhos e cristãos -novos,
sendo que esta nova denominação de cristãos -novos
escondia a origem judaica.

Durante o período da Inquisição muitos desses cristãos-
-novos e judeus portugueses conseguiram escapar e sair do
Reino, estabelecendo -se em algumas regiões do Mediterrâneo
(Gibraltar, Marrocos, Sul de França, Itália, Croácia,
Grécia, Turquia, Síria, Líbano, Israel, Jordânia, Egito,
Líbia, Tunísia e Argélia), norte da Europa (Londres, Nantes,
Paris, Antuérpia, Bruxelas, Roterdão e Amesterdão),
Brasil, Antilhas e EUA, entre outras, aí criando comunidades
de grande renome e fundado sinagogas notáveis, tais
como a Sinagoga Portuguesa de Amesterdão, a Sinagoga
Shearith Israel de Nova York, a Sinagoga Bevis Marks
de Londres, a Sinagoga de Touro em Newport (Rhode
Island — EUA), a Sinagoga Portuguesa de Montreal e a
Sinagoga Tzur Israel em Recife.

אזרחות פורטוגלית זכאות בדיקה
בדיקת זכאות דרכון פורטוגלי

No início do século XIX regressaram a Portugal alguns
descendentes de judeus sefarditas que se tinham refugiado
em Marrocos e Gibraltar, tendo, em 1801, sido criado o
primeiro cemitério judeu moderno, junto ao cemitério
inglês em Lisboa, e, em 1868, por alvará de D. Luís, sido
concedido aos «judeus de Lisboa a permissão de instalar
um cemitério para a inumação dos seus correligionários»,
o atual cemitério da Rua D. Afonso III, em Lisboa.

Ainda hoje, em muitos dos apelidos de famílias judaico-
-sefarditas, conserva -se a matriz portuguesa, embora, nalguns
casos, esteja misturada com a castelhana.

Na diáspora da Holanda e Reino Unido subsistem,
entre outros, apelidos de família como: Abrantes, Aguilar,
Andrade, Brandão, Brito, Bueno, Cardoso, Carvalho, Castro,
Costa, Coutinho, Dourado, Fonseca, Furtado, Gomes,
Gouveia, Granjo, Henriques, Lara, Marques, Melo e
Prado, Mesquita, Mendes, Neto, Nunes, Pereira, Pinheiro,
Rodrigues, Rosa, Sarmento, Silva, Soares, Teixeira e Teles.

Já na diáspora da América Latina mantêm -se, por exemplo,
também entre outros, os apelidos: Almeida, Avelar,
Bravo, Carvajal, Crespo, Duarte, Ferreira, Franco, Gato,
Gonçalves, Guerreiro, Leão, Lopes, Leiria, Lobo, Lousada,
Machorro, Martins, Montesino, Moreno, Mota, Macias,
Miranda, Oliveira, Osório, Pardo, Pina, Pinto, Pimentel,
Pizarro, Querido, Rei, Ribeiro, Salvador, Torres e Viana.

Para além disso, noutras regiões do Mundo, existem
igualmente descendentes de judeus sefarditas de origem
portuguesa que conservam, para além dos acima indicados,
entre outros, os seguintes apelidos: Amorim, Azevedo,
Álvares, Barros, Basto, Belmonte, Cáceres, Caetano, Campos,
Carneiro, Cruz, Dias, Duarte, Elias, Estrela, Gaiola,
Josué, Lemos, Lombroso, Lopes, Machado, Mascarenhas,
Mattos, Meira, Mello e Canto, Mendes da Costa, Miranda,
Morão, Morões, Mota, Moucada, Negro, Oliveira, Osório
(ou Ozório), Paiva, Pilão, Pinto, Pessoa, Preto, Souza,
Vaz e Vargas.

Para além dos apelidos familiares e do uso da língua
portuguesa, designadamente nos ritos, há descendentes
de judeus sefarditas portugueses que, ainda hoje, falam
entre si o ladino, língua usada pelos sefarditas expulsos
de Espanha e de Portugal no século XV, derivada do castelhano
e do português e atualmente falada por cerca de
150 000 pessoas em comunidades existentes em Israel,
Turquia, antiga Jugoslávia, Grécia, Marrocos e nas Américas,
entre muitos outros locais.

O presente diploma vem permitir o exercício do direi to
ao retorno dos descendentes judeus sefarditas de origem
portuguesa que o desejem, mediante a aquisição da
nacionalidade portuguesa por naturalização, e sua integração
na comunidade nacional, com os inerentes direitos e
obrigações.

Foram ouvidos, a título facultativo, a Comunidade Israelita
de Lisboa, a Comunidade Israelita do Porto, o Conselho
Superior da Magistratura, o Conselho Superior dos
Tribunais Administrativos e Fiscais, o Conselho Superior
do Ministério Público, a Ordem dos Advogados, a Ordem
dos Notários, a Câmara dos Solicitadores, a Associação
Sindical dos Conservadores dos Registos e o Conselho
dos Oficiais de Justiça.

Foi promovida a audição, a título facultativo, da
Comunidade Judaica de Belmonte, da Associação Sindical
dos Juízes Portugueses, do Sindicato dos Magistrados do
Ministério Público, da Associação Sindical dos Oficiais dos
Registos e do Notariado, do Sindicato dos Trabalhadores
dos Registos e do Notariado da Região Norte, do Sindicato
dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado da
Zona Sul e Ilhas, do Sindicato dos Funcionários Judiciais,
do Sindicato dos Oficiais de Justiça e da Associação dos
Oficiais de Justiça.

Decreto-Lei n.º 30-A/2015

Decreto-Lei n.º 30-A2015
Decreto-Lei n.º 30-A2015

 

1246-(93)                                                                                                                                                     Diário da República, 1.ª série – N.º 41 – 27 de fevereiro de 2015

                              Assim:

Ao abrigo do disposto no artigo 2.º da Lei Orgânica
n.º 1/2013, de 29 de julho, e nos termos da alínea a) do
n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta
o seguinte:

                            Artigo 1.º

                             Objeto

O presente diploma procede à segunda alteração ao
Regulamento da Nacionalidade Portuguesa, aprovado pelo
Decreto -Lei n.º 237 -A/2006, de 14 de dezembro, alterado
pelo Decreto -Lei n.º 43/2013, de 1 de abril, permitindo a
concessão da nacionalidade portuguesa, por naturalização,
a descendentes de judeus sefarditas.

                                Artigo 2.º

Aditamento ao Regulamento da Nacionalidade Portuguesa

É aditado ao Regulamento da Nacionalidade Portuguesa,
aprovado pelo Decreto -Lei n.º 237 -A/2006, de 14 de
dezembro, alterado pelo Decreto -Lei n.º 43/2013, de 1 de
abril, o artigo 24.º -A, com a seguinte redação:

«Artigo 24.º -A

Naturalização de estrangeiros que sejam
descendentes de judeus sefarditas portugueses

1 — O Governo pode conceder a nacionalidade portuguesa,
por naturalização, aos descendentes de judeus
sefarditas, quando satisfaçam os seguintes requisitos:

a) Sejam maiores ou emancipados à face da lei portuguesa;

b) Não tenham sido condenados, com trânsito em
julgado da sentença, pela prática de crime punível com
pena de prisão de máximo igual ou superior a três anos,
segundo a lei portuguesa.

2 — No requerimento a apresentar pelo interessado
são indicadas e demonstradas as circunstâncias que
determinam a tradição de pertença a uma comunidade
sefardita de origem portuguesa, designadamente, apelidos
de família, idioma familiar, descendência direta
ou relação familiar na linha colateral de progenitor
comum a partir da comunidade sefardita de origem
portuguesa.

portuguesa.
3 — O requerimento é instruído com os seguintes
documentos, sem prejuízo da dispensa da sua apresentação
pelo interessado nos termos do artigo 37.º:

a) Certidão do registo de nascimento;

b) Certificados do registo criminal emitidos pelos serviços
competentes portugueses, do país da naturalidade
e da nacionalidade, bem como dos países onde tenha
tido e tenha residência, os quais devem ser autenticados,
quando emitidos por autoridades estrangeiras;

c) Certificado de comunidade judaica com estatuto
de pessoa coletiva religiosa, radicada em Portugal, nos
termos da lei, à data de entrada em vigor do presente
artigo, que ateste a tradição de pertença a uma comunidade
sefardita de origem portuguesa, materializada,
designadamente, no apelido do requerente, no idioma
familiar, na genealogia e na memória familiar.

4 — O certificado referido na alínea c) do número
anterior deve conter o nome completo, a data de nascimento,
a naturalidade, a filiação, a nacionalidade e
a residência do requerente, bem como a indicação da
descendência direta ou relação familiar na linha colateral
de progenitor comum a partir da comunidade sefardita
de origem portuguesa, acompanhado de todos os elementos
de prova.

5 — Na falta do certificado referido na alínea c) do
n.º 3, e para demonstração da descendência direta ou
relação familiar na linha colateral de progenitor comum
a partir da comunidade sefardita de origem portuguesa
e tradição de pertença a uma comunidade sefardita de
origem portuguesa, são admitidos os seguintes meios
de prova:

a) Documento autenticado, emitido pela comunidade
judaica a que o requerente pertença, que ateste o
uso pelo mesmo de expressões em português em ritos
judaicos ou, como língua falada por si no seio dessa
comunidade, do ladino;

b) Registos documentais autenticados, tais como
registos de sinagogas e cemitérios judaicos, bem como
títulos de residência, títulos de propriedade, testamentos
e outros comprovativos da ligação familiar do requerente,
por via de descendência direta ou relação familiar
na linha colateral de progenitor comum a partir da
comunidade sefardita de origem portuguesa.

6 — Em caso de dúvida sobre a autenticidade do
conteúdo dos documentos emitidos no estrangeiro, o
membro do Governo responsável pela área da justiça
pode solicitar, à comunidade judaica a que se refere
a alínea c) do n.º 3, parecer sobre os meios de prova
apresentados ao abrigo do disposto no número anterior.»

                             Artigo 3.º

                      Entrada em vigor

               Decreto-Lei n.º 30-A/2015

O presente diploma entra em vigor no 1.º dia do mês
seguinte ao da sua publicação.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 29 de
janeiro de 2015. — Pedro Passos Coelho — Rui Manuel
Parente Chancerelle de Machete — Anabela Maria Pinto
de Miranda Rodrigues — Paula Maria von Hafe Teixeira
da Cruz — Nuno Paulo de Sousa Arrobas Crato — Luís
Pedro Russo da Mota Soares.

Promulgado em 24 de fevereiro de 2015.

Publique -se.

O Presidente da República, ANÍBAL CAVACO SILVA.
Referendado em 26 de fevereiro de 2015.
O Primeiro -Ministro, Pedro Passos Coelho.

[formidable id=12]

השאירו פרטים:

כתבות ומאמרים

נדל”ן בספרד

דירה להשקעה בספרד לאחר עשור של קיפאון ומשבר שוק הנדל”ן בספרד חוזר להיות יעד למשקיעים אנו שואלים שוב ושוב מהן הזכויות שמקנה לנו דרכון אירופאי?

קראו עוד »
אזרחות ספרדית

רילוקיישן לספרד

רגע לפני רילוקיישן לספרד: האם מגיעה לי אזרחות ספרדית? הפרסומים על אפשרויות קבלת אזרחות ספרדית ופורטוגלית מלווים בשנים האחרונות את כל מי שבמשפחתו יש חיבור

קראו עוד »
דרכון ספרדי

דרכון ספרדי

דרכון ספרדי ספרד ממוקמת בדרום מערב אירופה ונחשבת לאחד מיעדי התיירות הפופולריים ביותר בכל העולם. בשנת 2015 הודיע הפרלמנט הספרדי על תיקון חוק האזרחות כדי

קראו עוד »